terça-feira, 24 de novembro de 2015

Como Treinar o Seu Puffle #9 - Nossos Puffles Dragões, Parte 1



Olá pinguins! Chegamos aos ÚLTIMOS CAPÍTULOS da série. Anteriormente, em Como Treinar o Seu Puffle, os pinguins tiveram que reagir aos oponentes guerreiros, e resgatar Loko das nadadeiras de Peres. Após Pin cair em si, ele os ajuda a conseguir um barco, e então os treinadores de puffles dragões partem de volta à ilha de Ceperk. Além de encarar a oposição de sua própria aldeia, eles vão ter que se preparar para impedir os planos de Peres, e toda a sua frota. Como nossos heróis vikings vão enfrentar este desafio? Confira a continuação de Como Treinar o Seu Puffle (e veja se você se tornou um personagem)!


"Já podemos ver Ceperk no horizonte. Depois de tanto tempo em uma ilha condenada, finalmente estaremos em casa. Corremos agora o risco de sermos presos por ter 'fugido' com nossos puffles dragões e, por isso, eu preciso falar com Surfando e convencê-lo de que estamos todos do mesmo lado. Pode ser difícil conseguir isso, mas nós precisamos tentar - afinal, o desafio maior está se aproximando."

- O dia hoje não está para peixe, não é mesmo, Salmão? - pergunta Bicudo para o parceiro.
- É, parece que sim - responde Salmão, puxando algo da cesta. - A única coisa que eu consegui pescar foi isto aqui.
- Mas espera... isso aí é uma bota - aponta Bicudo.
- Eu sei - responde Salmão. - Será que fica boa com pimentão extra picante?
- Aahh... - diz Bicudo, esfregando o rosto com as nadadeiras. - Vamos voltar para o celeiro do vilarejo, vamos.
- Está bem, eu levo a bota - exclama Salmão.
Neste momento, Ask, Loko, Pedrox, Garrifro, Joaninha, Plog e Pin se aproximam da ilha, à bordo do barco que haviam conseguido, e atracam perto da doca, próximo à região de pescaria.
- Calminha aí... - diz Bicudo. - O que é aquilo?
- Parece ser um barco, Bicudo - responde Salmão.
- Eu sei disso, cabeça de carneiro - retruca Bicudo. - Mas quem é que está à bordo do barco?
- Hum, veja só, eles estão descendo - exclama Salmão, olhando para os pinguins desembarcando.
- Oh, são eles! - exclama Bicudo, olhando para os pinguins vikings. - Eles voltaram! Os jovens vikings e os seus puffles dragões. Estavam fora da ilha este tempo todo! O chefe não vai gostar nada de saber disso...
- BICUDO! SALMÃO! - grita Ask, se aproximando dos dois com o pessoal.
- VOCÊS, o que estavam fazendo esse tempo todo navegando por aí? - pergunta Bicudo. - Alguns vikings até mesmo acharam que vocês haviam sido exilados da ilha só por terem adotado os puffles dragões. Já outros, bom, eles querem ver vocês atrás das grades, juntamente com seus puffles.
- É uma longa história - responde Ask. - Nós explicaremos tudo depois. No momento, precisamos falar com Surfando. Precisamos nos preparar para enfrentar algo pior e... poderoso.
- Aquele barco é de vocês? - questiona Bicudo.
- Er, não exatamente - responde Garrifro. - Nós o rouba... pegamos emprestado!
- Joaninha, preciso que fique com os puffles dragões enquanto nós conversamos com Surfando - solicita Ask.
- Certo, pode deixar que eu cuido deles - afirma Joaninha. - Tenham cuidado. Expliquem tudo direito. Afinal, Ceperk depende de vocês.
- É, nós sabemos - exclama Garrifro. - E é isso o que me preocupa...
- Nós daremos um jeito - exclama Ask. - Desde que trabelhemos juntos.

Enquanto isso, em alto mar, Peres, o Poderoso, navega com sua frota inteira em direção à ilha de Ceperk. Guerreiros, caçadores, marinheiros, bárbaros e puffles dragões selvagens estão se preparando para uma eminente batalha.

- Eles vão pagar caro por terem se colocado no meu caminho - exclama Peres, agindo de modo imponente. - Ceperk será a primeira ilha a ser dominada pela nossa frota, e isso graças àqueles adolescentes medíocres. Como está a situação à bordo, marinheiro?
- Está indo tudo de acordo, Peres - ele responde. - Os puffles dragões estão presos nas jaulas, agitados de novo.
- Alimente-os com peixe outra vez, isso irá acalmá-los - responde Peres. - Será muito fácil controlá-los assim. Nós é quem iremos manter as rédias, e nós é quem iremos impor a eles o que devem fazer.
- Certo, Peres! - concorda o marinheiro. - E a boa notícia é que nossos homens conseguiram fazê-los obedecer ordens. Cada vez que correspondem a um comando, recompensamos as feras com um Fluffy. Hehehehehe.
Peres sorri.
- Excelente - ele diz. - Ceperk não perde por esperar.

Em Ceperk, os pinguins vikings caminham pela Floresta do Vale em direção ao Grande Salão, para se dirigirem a Surfando, chefe da tribo. Joaninha leva os puffles dragões dos amigos para um lugar seguro. Enquanto caminham, os pinguins vikings ficam cada vez mais preocupados com a situação que os espera.



- O que você pretende dizer a ele, Ask? - pergunta Loko, caminhando com o amigo.
- Eu ainda estou pensando nisso - responde Ask. - Precisamos resolver isso logo. Peres e sua frota podem chegar a qualquer momento. E precisaremos de ajuda.
- Sim... - exclama Loko. - Mas e se Surfando mandar prender os puffles dragões e não acreditar na gente?
- Eu... não sei... - responde Ask. - Mas vamos torcer para a nossa conversa dar certo. Aliás, TEM que dar certo.
- Tomara - exclama Loko.
De repente, três pinguins jovens que os observavam saem de um arbusto e aparecem na frente dos pinguins vikings.
- Vocês voltaram! - eles dizem. - É bom vê-los por aqui! Vocês voltaram por nós?
- Aahh, sim, nós voltamos - afirma Ask, confuso.
- Mas... quem são vocês? - pergunta Loko, também confuso.
- Não ouviram falar da gente? - pergunta uma pinguim.
- Não... nós estávamos fora, na verdade - responde Ask.
- Bom, permitam que nos apresentemos - ela diz. - Eu sou Fefezinh, a Amável. Estes são Pingu, o Marinheiro, e Nik, o Rápido.
- E nós somos treinadores de puffles dragões - acrescenta Pingu.
- Treinadores de puffles dragões??? - pergunta Pedrox, surpreso. - Eu pensei que éramos os únicos nesta ilha que gostassem de puffles dragões.
- Depois que vocês sumiram, nós comparecemos ao Grande Salão em busca de respostas - explica Nik. - Achávamos que Surfando os havia exilado da ilha.
- E pela razão injusta de terem adotado puffles dragões - complementa Fefezinh. - Isso não estava certo.
- Nós admiramos o que vocês fizeram: treinaram puffles dragões - exclama Pingu. - Achamos simplesmente incrível! Isso é algo que ninguém jamais conseguiu fazer. E nós vimos que não foram vocês os responsáveis pelos estragos causados no vale. Na verdade, vocês foram injustiçados. Nos tornamos verdadeiros fãs de vocês, e resolvemos treinar puffles dragões também.
- Isso é ótimo! - exclama Ask. - E nesse tempo todo eu nem sabia que alguém entendia o que fazíamos de verdade. E como anda o treinamento de vocês?
- Bom, nós estamos progredindo - responde Fefezinh. - Mas ninguém da aldeia sabe que nós nos tornamos treinadores também. No momento, nossos puffles dragões estão escondidos em uma cabana.
- Fico realmente muito feliz em saber disso - exclama Ask. - E olha, eu tive uma ideia, talvez vocês possam nos ajudar a convencer o Surfando.
- Convencer? - pergunta Fefezinh. - Do que você está falando?
- Precisamos que ele saiba que os puffles dragões não são as criaturas desprezíveis que o povo acha que são - responde Ask. - Precisamos da aldeia do nosso lado, pois a situação pode ficar muito pior a qualquer momento... Vocês vão entender em breve.

Após andarem mais um pouco, os pinguins chegam então ao Grande Salão. Lá dentro está Surfando, cuidando de assuntos da aldeia.

- SURFANDO!!! - exclama Ask. - Precisamos conversar.
- VOCÊS!!! - exclama Surfando, surpreso. - ... Em geral eu ficaria muito bravo por vê-los, mas devo confessar que estou contente em saber que vocês estão bem. Por onde andaram este tempo todo? Queriam esconder seus puffles dragões da gente? Vocês fugiram? O povo já estava começando a achar que eu os havia exilado... O que foi que realmente aconteceu???

Enquanto os pinguins explicam a situação desafiadora pela qual haviam enfrentado, Joaninha e os puffles dragões Raio, Trovão, Faísca, Bola de Canhão, Foguinho e Aurora caminham através da Floresta Antiga. Chegam então à Velha Cabana, um lugar recluso e silencioso. Joaninha, na intenção de esconder os puffles dragões dos amigos dentro da cabana, tenta abrir a porta.

- Grawwwnk! - ruge Aurora.
- Calminha aí, garota! - exclama Joaninha. - Estou tentando abrir, a porta está meio emperrada.
- Grawwwnk, graaawnk! - ruge Trovão, agitado.
- O que há com vocês? - diz Joaninha. - Estão com fome, é? Não se preocupem, deve ter comida para vocês em algum lugar lá dentro e...
Neste momento, Joaninha consegue desemperrar a porta, e abre a cabana. Ela se surpreende com o que vê a seguir. Por lá já haviam puffles dragões. Dois reluzentes e fofos puffles dragões brancos, e um astuto puffle dragão marrom, com a língua de fora.



Eles não reagem com agressão. Pelo contrário, cordialmente cumprimentam os novos convidados alados, em um entrelaçar de asas.

- Mas... ma-a - gagueja Joaninha, surpresa, tentando entender o que outros puffles dragões faziam por lá.

No Grande Salão...

- ILHA DE GUERREIROS????? - pergunta Surfando.
- Exato - afirma Pedrox.
- Vocês esperam mesmo que eu acredite nesse papo de vocês? - questiona Surfando. - Isso só pode ser conversa pra iaque dormir. Além do mais, Puffles Dragões Dourados são uma lenda. Um mero mito deixado pelas gerações passadas.
- Mas é verdade! - exclama Loko. - Eu fiquei frente a frente com a criatura.
- Que agora está nas nadadeiras erradas - acrescenta Ask. - Peres e sua frota estão com ele, e com mais um montão de puffles dragões selvagens. Nós vimos, Surfando! Se eles conseguirem usá-los para os seus propósitos, será o fim de todo o arquipélago.
- Eu tenho que cuidar da aldeia agora. - responde Surfando. - Não tenho tempo para escutar histórias de adolescentes que exploraram uma ilha qualquer.
- Mas - exclama Ask, preocupado. - Você precisa escutar a gen-
- GUARDAS! - interrompe Surfando. - Levem-nos daqui. E façam uma busca pela ilha, eu quero ver TODOS os puffles dragões longe do vilarejo!
- Não!!! - exclama Ask.
- Ah... eu temia por isso... - exclama Loko, suspirando.
Antes que os guardas agissem, Bicudo e Salmão abrem a porta do Grande Salão, e fazem barulho ao chegar. Eles se aproximam depressa dos pinguins e do chefe da tribo. Os dois estão ofegantes e cansados, devido a uma caminhada apertada que tiveram que realizar.
- Chefe! - grita Bicudo. - Chefe! Você precisa nos ouvir.
- Mas o que houve, Bicudo? - pergunta Surfando, intrigado. - O que há com vocês dois?
- É URGENTE - diz Bicudo. - A nossa vila corre perigo!
- Barcos... - exclama Salmão, ofegante. - Navios... Uma frota inteira deles... se aproximando depressa. São muitos!  Nossos homens... não conseguirão detê-los... Você precisa dar uma olhada nisso.

Surfando, Bicudo, Salmão e os pinguins vikings vão rapidamente em direção à Praia. No horizonte próximo, avistam a inteira armada de Peres, o Poderoso, no mar da ilha de Ceperk. Um exército enorme, completamente equipado, espalhado em diversos navios da frota. Em sua bandeira, é possível visualizar novamente o brasão deles, representado pela figura de um poderoso Puffle Dragão Dourado. À beira do mar, os pinguins vikings olham assustados, mas não surpresos, diferentemente de Surfando, chefe da tribo.

- Odin impiedoso... - murmura Surfando. - Você tinha razão, Ask. Vocês todos tinham razão.



Continua.

O que você achou do capítulo de hoje? Não se esqueça de deixar o seu bravo comentário viking! E não perca, nos próximos dias, o ÚLTIMO CAPÍTULO de Como Treinar o Seu Puffle! Até mais e... Pinguinando!