domingo, 2 de outubro de 2016

Coluna | Não é só um jogo

Saudades. Nossa, que saudades. Apesar de, atualmente, eu não dar importância... O Club Penguin ocupou, e espero, ocupará parte importante da minha vida. Momentaneamente, nem quero mais ser assinante, mal entro no jogo, apenas para conferir algumas coisas, mas não me divirto mais no nosso querido CP.

Mas... Lembra a felicidade de ouvir aquele barulho de selo conquistado, aquele PLIM sensacional, junto com aquela mensagem que informava-nos que acabamos de conquistar aquele selo dificílimo de conseguir? Ou... A emoção de, depois de horas a fio, vencer o Sensei e entrar no misterioso Esconderijo Ninja?

E o que sente quando pensam naquelas operações sensacionais, com um enredo que parecia coisa de cinema... E aquele labirinto da Operação: Hibernação? Desviar dos lasers, passar das salas e chegar no topo da Montanha Mais Alta? Ou livrar a ilha das mãos patas maléficas do Herbert? Ou, talvez, descobrir códigos encriptados e solucionar enigmas nas Missões da ASP?

Nossa... Lembro de muitas coisas como se fosse ontem. Como aquela vez em que eu joguei sem parar o Caça ao Tesouro, e quando o Migrator deixou a ilha, fiquei muito sentido, porque me apaixonei por aquele jogo, e não via a hora do nobre Capitão Rockhopper começar a zarpar novamente para a ilha... Ah, eu olhava quase sempre o Telescópio...

E a emoção de conquistar os elementos do Desafio Ninja? De vencer o Sensei do fogo, o da água, e ficar esperando ansiosamente pelo elemento neve? E quando esse foi, enfim, lançado, nossa... Eu nem me importava com a quantidade enorme de bugs que havia nesse mini-jogo, o que importava é que eu tinha que jogar. Era, me recordo, muito divertido.

Dizem que jogos virtuais fazem mal ao cerebelo, em suma, ao nosso desempenho cognitivo. Mas, olha, os cientistas que me perdoem, mas tinha umas Missões da ASP que não concordavam com essa regra não, pra resolver o enigma, eu passava bastante tempo pensando... E, cá entre nós, se, depois de bastante tempo, eu não resolvia, AS VEZES eu dava uma olhada em algum tutorial. Sabe como é, não?

Nossa, que saudade. Descobrir uma nova espécie de puffle depois de muita dificuldade. A Expedição à Natureza original, que nos levou até os puffles marrons, aquilo foi incrível! E quando esperei horas para a próxima tarefa rumo a adoção do fantástico puffle multicor? Agora em uma hora, já é possível consegui-lo, mas antes, era demorado... E como era!

Esperar, ansioso, para um novo mini-jogo, que o jornal tinha anunciado... Ah, bons tempos. E quando eu esperava para uma festa que eu gostava bastante, nossa... Era sofrido, os dias não passavam! Mas valia a pena, quando eu cumpria a nobre Jornada dos Cavaleiros, passava por vários desafios, mas, no fim, conquistava o prêmio...

Aquelas festas medievais eram incríveis. Espetaculares. Sensacionais. Qualquer adjetivo que represente algo muito bom. Tipo, a de 2012 chegou a ter um enredo gigantesco para justificar a festa! E que festa, meus amigos. Que festa! Assim como várias outras, como as de 2010 e 2011. Sinceramente, até a de 2013 foi legal, apesar de ser inferior a essas, óbvio. Que saudades das Festas Medievais!

Arrumar o iglu daquele jeito que os seus amigos ficavam até com inveja. Um privilégio dos assinantes, sim, mas também é uma parte essencial do jogo. Eu já fiquei horas, admito, decorando o iglu, com um olhar perfeccionista e não admitindo erros. Não podia haver erros. Tinha que tudo estar combinando, espaçado e ter um bom efeito visual. Era difícil!

Encontrar famosos era muito divertido. Acho que tinha uma época que nem havia horários, então era na raça! E entrar em uma sala que demorava a carregar, e daí ouvir aquele PLIM maravilhoso e ver que você encontrou o Gary... Era uma emoção indescritível, daquelas de você ficar "pilhado" a semana inteira.

E coisas que nem eram do CP, mas sim do espírito dos pinguins. Encontros na pizzaria, os famosos "namoros", as festas no iglu! Ah, que saudade. E fazer amigos pelo CP, não pelas redes sociais, uma felicidade que não está mais presente agora, pelo menos para mim. A comunidade, ah, era espetacular. Muitos blogs, muitos xats, muitas pessoas! Saudades.

Não sei se muita gente se lembra, mas as atualizações semanais do CP eram pela madrugada das quintas-feiras. Não me recordo quantas vezes cheguei na aula com olheiras porque tinha que postar as novidades desse magnífico jogo. Teve uma vez, na Festa Pré-Histórica de 2014, que eu cheguei ao ponto de ficar até as 4 horas da manhã esperando a atualização, e só saí por causa, logicamente, dos meus pais...

Aquelas tradicionais festas de Halloween, até me metiam medo! Decorações sempre lindas, e as tarefas sempre legais e divertidas... Nossa, era realmente incrível. Se bem que aquela de 2013, que introduziu os MALDITOS uivos de lobisomens não foi tão boa assim, mas em geral, eram festas de alta qualidade. Saudades.

Como um simples jogo fez termos laços sentimentais com moderadores, pessoas que nem conhecemos? Porque é o Club Penguin. Aquele choque quando um moderador que você gosta saí, é algo indescritível. Fiquei bem abalado com a saída do Billybob, e mal sei escrever o nome real dele corretamente (é Lane Merrifield, acho eu).

E as Festas de Natal? Espetaculares. Magníficas. Não tem um adjetivo correto para descrever como são perfeitas. As transformações, a Padaria, os trens, a Coins for Change, o céu estrelado, a trilha sonora... Sem dúvida, a especialidade da equipe.

Não tem outra conclusão, pessoal. Apesar da fase ruim, eu gosto muito desse jogo, e tenho certeza que você também. O Club Penguin, apesar de seus problemas, é cativante e divertido. Tivemos muitas festas ruins, mas olha quantas lembranças boas... Com PSS ou não, esse jogo é INCRÍVEL.

E eu acho estranho pensar que todos esses enredos, todos esses personagens, todo esse UNIVERSO gigantesco e magnífico é apenas ficção. Mas, refletindo, acho que não é por aí. Pode ser, sim, apenas ficção. Mas, também, é uma realidade PURA na mente de todos nós, jogadores que estão apoiando mesmo com tantas festas decepcionantes, e acreditando que teremos um futuro com festas de mais qualidade.

Não é só um jogo.

Esse texto foi inspirado em uma publicação do nosso administrador Pedrox, via Twitter. Cliquem aqui para conferi-la